12 coisas a pensar

12 coisas a pensar

12 coisas a pensar antes de carregar no disparador – dicas fotografia

Imagine que encontra uma grande cena de rua para fotografar. É hora de levantar a câmara até aos olhos, piscar o olho e clique! A imagem fica guardada, fácil não é? Aqui pode encontrar algumas dicas fotografia.

Infelizmente, a fotografia de rua é muito mais difícil do que parece como muitas variáveis ​​ em jogo numa fração de segundo para uma determinada cena. Uma grande fotografia não é apenas resultado da sua capacidade de detectar em detectar uma oportunidade, mas também a sua capacidade em pensar em todos os elementos que são importantes para uma boa imagem. Falo-lhe agora nalguns desses factores a pensar e dicas fotografia.

I) Manter a linha de horizonte direita.

Embora possa parecer fácil de lidar,  mas manter a linha do horizonte direita é realmente uma das variáveis ​​mais difíceis na fotografia de rua. Em maior parte das vezes as linhas da ação numa cena levam-no a de uma forma inconsciente balançar a câmara de um lado para o outro. Pode funcionar para algumas fotografias e até passar despercebida noutras, mas geralmente é melhor evitar linhas do horizonte tortas nas fotos por simples motivos estéticos. A melhor maneira de evitar estas situações  é procurar por linhas horizontais ou verticais dentro do seu campo de visão e alinhá-lo as bordas do visor.

II) Evitar elementos não desejados em segundo plano.

Não se deixe bloquear pelo sujeito da sua fotografia, repita esta frase para si próprio (eu nunca me canso de a repetir). O que acontece por detrás do tema principal da cena é muitas vezes o que difere de uma imagem boa para uma excelente. Pode até detectar uma cena incrível, mas arruiná-lo logo de seguida com os elementos indesejados em segundo plano, seja ela uma mochila, um transeunte, um carro, ou um candeeiro de rua mal posicionada. Portanto, depois de ter detectado uma boa cena de rua, preste pelo menos tanta atenção para os elementos de fundo como para o assunto principal.

III) Tenha cuidado com a sua própria sombra.

Em geral, é mais fácil fotografar com a luz vindo detrás, mas isso também significa que um novo ”amigo” irá estar sempre a segui-lo: a sua sombra. Mesmo em momentos onde pensa que ela já lá não está, mas de repente surge em cima do seu assunto logo após ter levantado a câmara. Para evitar isto, certifique-se que a sua sombra nunca está num raio de 90 graus de onde você aponta a câmara.

IV) Manter um olho sobre os elementos prestes a entrar no visor.

Você está pronto para disparar e de repente entra um grande caminhão mesmo na altura que faz o clique. Imagem arruinada. Todos os seus sentidos precisam estar preparados, não só pelo que acontece dentro do visor, mas também o que está ao seu redor. Use o seu olho esquerdo e até os seus ouvidos para antecipar essas invasões. Numa rangefinder é possível diminuir um pouco esta questão desde que o sistema linhas do limite da lente em uso permita que veja uma parcela significativa da ação que está a acontecer em torno do visor.

V) Não seja um carniceiro.

Eu sei que não tem intenção mas ás vezes no entusiasmo da fotografia e na inércia de uma cena, muitas vezes, são feito reenquadramentos inconscientes que levam ao corte de pés, braços ou até mesmo cabeças. A acrescentar a isto a paralaxe e as imprecisões do sistema de linhas dos limites da lente em uso das rangefinder pode também leva-lo a excluir uma parte importante da imagem. Formas de evitar estas situações ou usar grandes angulares (e depois fazer “crop” em pós-produção) ou então para ajustar a sua posição para compensar a paralaxe ou imprecisões nas linhas de limite da lente em uso.

VI) Verifique se há luz suficiente sobre o assunto.

Este é um dos erros mais recorrentes que vejo nas fotografias de rua, que são rostos que estão parcialmente no escuro. É óbvio, quem nem sempre temos as melhores condições de luz ideal numa cena, mas caras cobertos com sombras normalmente iram arruinar uma imagem. Tente movimentar-se de forma a quando o assunto entra ou olha numa zona de luz adequada, você esteja pronto para disparar.

VII) Mantenha sua câmara direta para evitar distorções.

A distorção acontece sempre que você inclina a câmara em relação ás linhas verticais. E quanto mais aberta for a lente, mais forte será o efeito de distorção. Especialmente para aqueles que usam lentes de 28 ou 35mm, mas também por quem usar perspectivas altas ou baixas em relação ao assunto. Por exemplo para pessoas altas o problema é que tendem a apontar para baixo a câmara. Para minimizar esta situação, muitas vezes é necessário nos curvarmos ou até ajoelhar, mesmo que obviamente nem sempre seja conveniente para este tipo de fotografia. Para evitar estas distorções, mantenha a câmara o mais direito possível em relação ás linhas virtuais horizontais e verticais. Em alguns casos, resultará melhor se mudar tanto o seu ponto de vista como composição para manter a sua imagem sem distorção. Na maioria dos casos, algumas distorções irão ocorrer mas honestamente não dê muita importância.

VIII) Com os dois pés sempre no chão.

Ao fotografar pessoas enquanto caminham, esta dica básica irá certificar-se que a estado do seu assunto é claro. Carregar no disparador no momento em que uma perna vai no encontro da outra pode causar a impressão de que o assunto está parado. Mas ao contrário, se formar com as pernas um agradável triângulo vai ser sempre entendido que o seu assunto ia em movimento.

IX) Não pode ser apanhado pela janela.

Deixe o seu narcisismo de lado e certifique-se que a sua linda cara não aparece em cada imagem que faz contra a superfície de um vidro.

X) Exponha com cuidado.

Não há nada pior do que fazer uma grande fotografia e de repente perceber que se esqueceu de ajustar a sua exposição. Lembre-se sempre que as configurações de exposição nunca devem ser esquecidas, especialmente quando utiliza a câmara em modo manual. Uma má exposição ai levar a sua imagem diretamente para o lixo (leia o artigo sobre as técnicas de exposição manual)

XI) Focar com precisão.

Obviamente, certifique-se sempre que a sua focagem está no local certo, quantas vezes você já fez uma grande fotografia e depois percebeu que a sua focagem está no ponto errado. Para quem usa focagem manual, a utilização da técnica de focagem por zona irá minimizar os riscos. No entanto, para fotógrafos que gostam de fotografar com a abertura máxima da lente, a profundidade de campo resultante é muitas vezes muito pequena e pode levar o seu ponto de focagem pretendido a ficar desfocado. Portanto será sempre necessário, fazer uma estimativa perfeita da distância bem com um bom “timing”. (veja o artigo sobre as técnicas de focagem manual)

XII) Procure por profundidade.

Vamos terminar com a minha obsessão pessoal pela profundidade de campo de uma imagem. A fotografia é basicamente uma cena tridimensional reduzido para dois planos. A fim de transmitir alguma dessa sensação de 3D ás suas imagens, certifique-se que existe profundidade de campo nas suas imagens. Isto será conseguido através da adição de espaço atrás ou ao lado dos principais elementos da cena.

Conclusão

Então, quem disse que fotografia de rua era fácil?

Eu acho que pode rever estes doze pontos e encontrar grandes cenas para mostrar seu talento, você será um exterminador ou o Henri Cartier-Bresson. Se não, escolha os pontos que mais frequentemente erra (talvez aqueles que até não foram abordados aqui) e pense neles antes de cada disparo que faz. Tente Fazer isso de constantemente, até se tornar uma segunda natureza do seu instinto. Obviamente, que estes pontos representam generalidades. As regras são feitas para serem quebradas, e talvez queira como parte do seu estilo ter nas suas imagens alguma distorção, sobre exposição, ou porque não, até a sua própria sombra.

Foto: Jo Paul Wallace
Fonte: yanidel.net


© 2017 Fotografia de Rua | Todos os direitos reservados | Oficina dos Sites